top of page
  • Foto do escritorRenata Carvalho

DEPOIS DE 15 ANOS, ROTEIRISTAS DE TV E CINEMA DOS EUA ENTRAM EM GREVE

Decisão pela paralisação foi tomada após fracasso nas negociações entre trabalhadores, estúdios e streamings.


A Associação dos Roteiristas da América (WGA) entrou oficialmente em greve na última terça-feira (02). A paralisação começa depois de seis semanas de negociações com a Aliança de Produtores de Cinema e Televisão (AMPTP), onde as partes não conseguiram chegar em um consenso para um novo acordo de trabalho.


Na noite do dia primeiro de maio, a AMPTP afirmou que ambos os lados tinham chegado em um acordo, negando a greve, mas uma hora depois (três horas antes de antigo acordo de trabalho expirar), o WGA negou a informação e anunciou que a greve iria começar na terça-feira, dia 02 de maio.


Na nota dada pela WGA, eles confirmaram que estiveram em negociações durante seis semanas com a Netflix, Amazon, Apple, Disney, Warner Bros, NBC Universal, Paramount e Sony, representados pela AMPTP.



Exigências dos direitos

O WGA exige aumento da remuneração mínima em todas as áreas da mídia, compensação adequada para escritores de séries de TV durante a pré e pós-produção, aumento das contribuições para planos de pensão e saúde, fortalecimento dos padrões profissionais, proteção geral para escritores, e aumento e regulamentação dos resíduos (uma taxa dada a roteiristas a cada nova apresentação do episódio, o que não acontece nos streamings).


Os roteiristas de TV alegam que as empresas de Hollywood tiraram vantagem injusta da mudança para o streaming para desvalorizar seu trabalho e piorar as condições de trabalho. Com o advento das plataformas digitais, as antigas normas de produção de 22 a 26 episódios por temporada praticamente desapareceram, enquanto os episódios estão demorando mais para serem produzidos, o que significa que os escritores estão ganhando menos enquanto trabalham mais.


As empresas, por sua vez, dizem que estão dispostas a negociar um novo acordo “mutuamente benéfico” com os escritores, mas que as demandas por uma estrutura de remuneração totalmente nova ignoram as realidades econômicas.


A última greve dos roteiristas aconteceu entre novembro de 2007 e fevereiro de 2008, durante 100 dias. Muitos filmes e séries, onde os roteiros não estavam completos, foram afetados e tiveram suas produções incompletas ou totalmente paradas, como 'Lost', 'Heroes', 'Grey’s Anatomy', entre outras.



Regras e punições ao longo da greve

Durante a greve, os roteiristas são impedidos de escrever e entregar qualquer trabalho aos estúdios. Além disso, eles e seus representantes não podem se comunicar com as empresas, impedindo conversas sobre futuros projetos.


Os profissionais que atuam em mais de uma posição (diretor e roteirista, por exemplo), podem continuar desempenhando suas funções durante a greve, mas é proibido fazer qualquer alteração em roteiros entregues antes do início da paralisação.


O WGA, por sua vez, adverte que os roteiristas que descumprirem as regras podem sofrer punições, inclusive aqueles que ainda não são membros da associação, podendo ser impedidos de ingressar no WGA no futuro.


Lembrando que o WGA espera novas conversas e uma maior adesão das propostas por parte da Aliança de Produtores de Cinema e Televisão (AMPTP), então a demora da greve dependerá completamente dos estúdios/streamings.


0 comentário

Comments


bottom of page