top of page
  • Foto do escritorGuido Giuseppe Scagliusi

POCKET BRAVERY: UMA JOIA RARA DOS JOGOS INDIE BRASILEIROS

Atualizado: 9 de out. de 2023

Jogo de luta foi desenvolvido pela Statera Studio e distribuído pela PQube.


Com estética retrô e grande apuro técnico, Pocket Bravery vem criando uma forte e comprometida comunidade de fãs desde seu anúncio em 2020. Inspirado por clássicos absolutos dos fliperamas, o jogo tem estilo visual no formato SD e bebe da fonte dos aclamados jogos de luta do Neo Geo Pocket Color e também do popular Pocket Fighter.



Inicialmente, treze personagens estão disponíveis (dez iniciais e três desbloqueáveis), englobando diversos estilos de luta e jogabilidade, tornando-se um dos rosters mais abrangente nos jogos de luta dos últimos anos.


Dentro do universo do jogo, um estranho fenômeno aconteceu no mundo. No entanto, apenas algumas pessoas são capazes de senti-lo e manifestá-lo. Há aqueles que desferem energia pelas mãos, outros fortalecem os músculos, enquanto certos especialistas transferem sua essência para objetos e armas. Ninguém entende exatamente o que está acontecendo e todos tentam descobrir esse mistério à sua maneira. Em meio a tudo isso, a Matilha, uma organização criminosa, quer roubar artefatos e relíquias antigas que envolvem várias nações e personalidades notáveis.


No meio desses acontecimentos, Nuno Alves, um jovem luso-brasileiro que cometeu diversos erros em seu passado como membro da Matilha, está à procura de respostas em uma jornada de redenção, encontrando algumas pessoas que o auxiliarão em sua busca e outras que o confrontarão no caminho.


Modo História e Arcade trabalhando juntos!

Primeiro de tudo, o modo história — um ponto que tem sido muito negligenciado nos jogos de luta, até mesmo nos chamados Triplo A. Esse modo de jogo, em sua essência, trabalha junto com o modo Arcade, oferecendo uma imersão no universo do jogo e seus personagens, mostrando-nos as suas motivações e a razão de estarem dentro da trama. O enredo, de uma forma geral, é muito coeso e bem amarrado, proporcionando-nos uma história sólida e verossímil, sem qualquer elemento inserido ao acaso.



A história em si não é contada de maneira tão linear como a de um livro. A trama é subdividida em rotas centradas em um determinado personagem, com alguns pontos de encruzilhada onde o jogador poderá escolher o foco da narrativa daquele ponto em diante.


Além disso, o modo história também ensina ao jogador o básico dos controles e sistema de jogo, atuando com uma versão condensada do modo tutorial que, por sua vez, nos dá uma aula mais aprofundada, além de ensinar os jargões e vocabulário usados pela comunidade dos jogos de luta, a tão famosa FGC.


Nada de Microtransações

Um outro ponto importante a se citar é a total ausência de microtransações dentro do jogo. Fora as DLCs que estão por vir, todos os itens extras dentro de Pocket Bravery são desbloqueados utilizando os Battle Points (BP), que são a “moeda interna” do jogo. Quanto mais tempo jogando, mais pontos e mais itens para comprar.


Falando de itens extras, existe uma infinidade de features a serem desbloqueados — desde esquemas de cores para os personagens até mais modos de jogo que trazem uma experiência nova. E o valor por tais itens não é tão impeditivo. Para você comprar uma skin nova do seu personagem favorito, por exemplo, são necessários apenas 15 BP.


Modos Extras para aumentar sua diversão

Ainda falando sobre os modos extras, tem algumas coisas que valem a pena dar uma olhada, como os modos Sobrevivência e Desafios. No modo Desafios, você passará por cenários onde necessita executar com perfeição uma sequência de golpes para avançar para o próximo nível. No Sobrevivência, como o próprio nome já diz, você passará por baterias de inimigos, tentando resistir pelo maior tempo possível. Além desses dois, também vale a pena passar algum tempo jogando o modo Rodoviária, que faz uma alusão às hacks de Street Fighter II e The King of Fighters.


Jogabilidade para todos os públicos


No quesito jogabilidade, o pessoal da Statera Studio resolveu aliar o melhor dos dois mundos oferecendo dois modos de controle: o padrão, com os comandos completos, e o modo acessível, que permite que o jogador execute os golpes com uma sequência mais simples de botões. Com isso, os jogadores iniciantes e veteranos poderão competir de igual para igual e se divertir bastante. O sistema de jogo também é simples de se compreender, melhorando a experiência dos jogadores iniciantes.


Os modos de Treino e o Combo Factory são ferramentas que podem ser usadas tanto por usuários casuais quanto pelos jogadores competitivos. Por um lado, os casuais podem usá-los para aprender mais sobre um personagem e seus movimentos, enquanto os competitivos podem vê-los como um laboratório para aperfeiçoar suas habilidades e desenhar novos combos (combinações de golpes), dissecá-los e testá-los da melhor maneira possível, com direito a diminuir a velocidade do jogo e medir a melhor hora possível para conectar um golpe no outro e otimizar o dano causado.


Tem Modo Online? É claro!


Comparado com os de jogos Triplo A, o modo online do Pocket Bravery é bem mais enxuto, embora não menos divertido. Com um Rollback Netcode nativo, não importa se você está enfrentando o seu vizinho ou alguém que está do outro lado do globo, a experiência é a mesma do modo versus offline. Você pode enfrentar muita gente nas partidas ranqueadas e casuais, além de montar um lobby e chamar os seus amigos para aquele X1 sem qualquer problema.


Gráficos e músicas de primeiro mundo

Os gráficos e as músicas são um espetáculo à parte. Segundo os próprios desenvolvedores da Statera Studio, a intenção era fazer os sprites como os de The King of Fighters XIII. Só que para tal, eles necessitariam trabalhar muito mais para a animação. Com isso, eles resolveram apelar para o estilo pixel art, o qual é muito mais rápido e menos trabalhoso de se animar se compararmos com o estilo normal dos jogos de Arcade.


A trilha sonora também tem um papel importante, com uma menção especial à música do estágio de Hector, o chefão final, que traz um clima sorturno aliado a ritmos brasileiros que deixam qualquer um preparado para a luta.


Um pouco sobre minha participação no jogo

Eu ouvi falar do Pocket Bravery pela primeira vez no início de 2021, ao ver uma das primeiras versões alfas, mas só entrei de cabeça no projeto um pouco depois, em meados de abril, quando o Jonathan Ferreira, o CEO da Statera Studio, me convidou para fazer a voz de um dos narradores, ao lado de grandes dubladores, como Thais Durães (conhecida por dublar a Sage do Valorant, Jackie Briggs do Mortal Kombat e Katarina do Tekken 7) e quatro vozes do canal Vai Seiya do Youtube: Niel Sobrinho, Lia Mello, Max Albuquerque e Rocky Silva, meu grande amigo e parceiro nas jogatinas.


Além das vozes, também participei do programa de beta fechado, testando o jogo e fornecendo feedback aos desenvolvedores, que buscara otimizá-lo para trazer a melhor experiência possível.


Conclusão

No geral, o jogo cumpre o que promete, agradando desde os jogadores mais casuais aos mais competitivos. É um jogo feito por entusiastas de jogos de luta para fãs de jogos de luta e tudo isso a um preço bem acessível. Confira abaixo a tabela com os preços e descrição das edições do jogo na Steam.


Edição

Descrição

Preço

Edição Básica

Jogo Completo

R$ 59,99

Edição Deluxe

  • Jogo completo

  • 4 personagens adicionais

  • 4 cenários adicionais

  • 4 trilhas sonoras adicionais

  • 4 finais arcade adicionais

R$ 73,99


Edição Ultimate

  • Jogo completo

  • 8 personagens adicionais

  • 8 cenários adicionais

  • 8 Trilhas sonoras adicionais

  • 8 finais arcade adicionais

R$ 88,99

*Todos os futuros conteúdos de DLC e suas temporadas serão anunciados e entregues após o lançamento.


O jogo já está disponível para os PCs desde 31 de agosto de 2023. O lançamento para consoles deverá acontecer até o fim do ano.

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page